União Européia – Ambiente: Financiamento para apoiar o combate da Interpol ao crime contra a vida selvagem

Bruxelas, 21 de dezembro de 2012

comissao_europeia_logo_pt

A Comissão Europeia vai apoiar com cerca de dois milhões de euros a ação da Interpol para combater o crime contra a vida selvagem e proteger os recursos naturais mundiais do comércio internacional ilegal de espécies da flora e fauna selvagens. Nos próximos três anos, um financiamento de 1,73 milhões de euros apoiará o «Project Combat Wildlife Crime» deste órgão de polícia mundial, sob a égide do Consórcio Internacional de Combate ao Crime contra a Vida Selvagem (ICCWC), no qual participam igualmente o Secretariado da Convenção sobre o Comércio Internacional das Espécies da Fauna e da Flora Selvagens Ameaçadas de Extinção (CITES), o Gabinete das Nações Unidas para o Controlo da Droga e a Prevenção do Crime (UNODC), o Banco Mundial e a Organização Mundial das Alfândegas (OMA).

Os crimes contra o meio ambiente têm poucas testemunhas, mas as suas consequências fazem-se sentir à escala mundial e quem mais as sofre são sobretudo os países em desenvolvimento, afirmou Janez Potočnik, Comissário Europeu do Ambiente.  Continue lendo

Anúncios

Banco Mundial: Novo relatório examina os riscos de um mundo 4 graus mais quente até o final do século

Clique na imagem para baixar o relatório completo em inglês

Clique na imagem para baixar o relatório completo em inglês           Para o Sumário executivo em português clique aqui

Novembro 18, 2012

 ‘Turn Down the Heat alerta: sem ação de política, os resultados podem ser perigosos: Inundação de cidades, aumento da desnutrição, morte de recifes, ondas de calor insuportáveis

WASHINGTON, 18 de novembro de 2012 – O mundo caminha rapidamente para ficar até 4 graus mais quente no final deste século se a comunidade global não tomar medidas relacionadas à mudança climática, o que desencadeará uma série de alterações incontroláveis, tais como ondas de calor extremo, diminuição dos estoques mundiais de alimentos e uma elevação do nível do mar que afetarão centenas de milhões de pessoas segundo um novo relatório científico encomendado pelo Banco Mundial que foi divulgado hoje.

Todas as regiões do mundo sofreriam – algumas mais do que outras – mas o relatório constata que os pobres serão os que mais sofrerão.

Turn Down the Heat (Reduzir o Calor), um retrato da mais recente ciência climática preparado para o Banco Mundial pelo Potsdam Institute for Climate Impact Research (PIK) e pela Climate Analytics, diz que o mundo caminha para uma temperatura 4 graus centígrados[1] (4°C) mais elevada até o final deste século e que as atuais promessas relacionadas às emissões de gases do efeito estufa não reduzirão muito esse número.

 “Um mundo 4 graus mais quente pode e deve ser evitado – precisamos manter o aquecimento abaixo de 2 graus,” disse o Presidente do Grupo Banco Mundial, Jim Yong Kim.  “A falta de ação com relação à mudança climática ameaça tornar o mundo que nossos filhos herdarão completamente diferente do que habitamos hoje. A mudança climática é um dos maiores desafios ao desenvolvimento e precisamos assumir a responsabilidade moral de adotar medidas em nome das gerações futuras, especialmente dos mais pobres.” Continue lendo

UN News Centre: Ligações entre a gestão de resíduos e sustentabilidade ambiental destacados na conferência apoiada pela ONU

Pilhas de lixo sendo queimado nas ruas do Cairo, Egito. Foto: IRIN / Amr Emam
Pilhas de lixo sendo queimado nas ruas do Cairo, Egito. Foto: IRIN / Amr Emam

6 de novembro de 2012 – Em meio a uma população mundial em rápido crescimento, os problemas de gestão de resíduos estão se tornando cada vez mais cruciais para a promoção da sustentabilidade ambiental, é a à conclusão de um dos delegados nos  dois dias de conferência das Nações Unidas sobre o assunto ouvido hoje.

Na última reunião da Global Partnership on Waste Management (GPWM) [ Parceria Global sobre Gestão de Resíduos], organizado pelo UN Environmental Programme (UNEP) Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), em Osaka, no Japão, onde especialistas em lixo de todo o mundo abordaram os problemas em curso em torno da gestão de resíduos, discutindo como alcançar uma maior coesão econômica e benefícios ambientais por meio de uma melhor cooperação mútua.

“As necessidades humanas básicas, como água limpa, ar puro e segurança alimentar são prejudicadas por práticas de gestão de resíduos impróprios, com graves consequências para a saúde pública”, advertiu o PNUMA em seu comunicado, acrescentando que a gestão inadequada  de resíduos pode levar à disseminação de doenças, como bem como contaminar o ambiente ar, água e terra.

A agência da ONU observou que os resíduos urbanos são um fardo crescente para comunidades ao redor do mundo, citando estatísticas do Banco Mundial que estimam um crescimento no  volume de resíduos de 1,3 bilhão de toneladas para 2,2 bilhões de toneladas em 2025. Continue lendo

Relatório Banco Mundial “Justiça para as Florestas: Melhoria dos Esforços da Justiça Criminal para Combater a Extração Ilegal de Madeira”

“Dinheiro Sujo” da Extração Ilegal de Madeira Pode Ser Descoberto e Confiscado, Informa o Banco Mundial

Press Release No:3012/329/FPD

Clique aqui para baixar o Relatório (em PDF)

Washington, 20 de março de 2012 – A cada dois segundos, uma área florestal do tamanho de um campo de futebol é derrubada por madeireiros ilegais ao redor do mundo. Um novo relatório do Banco Mundial divulgado hoje mostra como podem os países usar o sistema de justiça criminal para combater efetivamente a derrubada ilegal de matas, punir a criminalidade organizada e descobrir e confiscar os lucros ilegítimos da extração ilícita de madeira.

O relatório Justice for Forests: Improving Criminal Justice Efforts to Combat Illegal Logging – Justiça para as Florestas: Melhoria dos Esforços da Justiça Criminal para Combater a Extração Ilegal de Madeira – afirma que, para ser eficiente, a autoridade coatora precisa olhar para além dos criminosos de baixo nível e verificar para onde vão os lucros da derrubada ilegal.  Seguindo a trilha do dinheiro e usando ferramentas desenvolvidas em mais de 170 países para ir em busca de “dinheiro sujo”, a justiça criminal tem condições para punir as organizações criminosas envolvidas em derrubada ilegal de madeira em grande escala e confiscar seus ganhos ilícitos. Continue lendo

MMA: Unidades de conservação recebem investimento de 20 milhões de euros

Doação é do Banco Alemão KfW e dinheiro será aplicado no FAP para custear despesas recorrentes daquelas UC´s que já atingiram o máximo de consolidação dentro do Programa Arpa.

11/01/2012

O Programa Áreas Protegidas da Amazônia, que já contribui para a criação e consolidação de quase 20 milhões de hectares em unidades de conservação (UCs) no bioma desde 2003, recebeu a doação de 20 milhões do Banco de Desenvolvimento Alemão (KfW). O dinheiro será aplicado no Fundo de Áreas Protegidas (FAP), a cargo do Fundo Brasileiro para a Biodiversidade (Funbio), executor financeiro do Arpa.

O FAP complementa o orçamento público destinado às UCs. Os recursos vão dar maior agilidade e autonomia à gestão de projetos voltados para Unidades em estágio avançado de consolidação dos programas de gestão e proteção. Uma das consequências é a geração de emprego e renda, com o uso sustentável dos recursos da biodiversidade.

O Programa Arpa  tem ações previstas para até 2018, com expectativa de promover a consolidação de 60 milhões de hectares no bioma amazônia, o que representa mais de 35,1% de toda a área protegida no País. A estratégia é garantir que as UCs brasileiras deixem de ser apenas territórios delimitados em mapas e saiam do papel para a realidade.

Em sete anos de atividades, o Arpa trabalha com doações do Fundo para o Meio Ambiente Mundial (GEF),  do Banco Mundial,  da WWF Brasil, do KfW, do governo  da Itália e das empresas Boticário e Natura.  Os recursos são aplicados na gestão e desenvolvimento de projetos que priorizam o uso sustentável das UCs,  aliando proteção e manutenção dos serviços ambientais.

De  caráter permanente, o FAP é aberto a doações e tem os rendimentos líquidos aplicados em despesas permanentes nas unidades de conservação. Até 2011, o fundo priorizou a sua e estruturação e capitalização, que deverá atingir os US$70 milhões até 2015.  Esses recursos vão assegurar a operacionalização das UCs e a manutenção dos seus conselhos gestores.

A expansão em mais de 83% em áreas de unidades de conservação no Brasil, ocorridas entre 2001 e 2010, exige, na estimativa do Arpa,  recursos da ordem de  mais de R$ 550 milhões. Esse é o investimento estimado pelo programa para tornar as UCs  beneficiadas autosustentáveis. O potencial de geração de emprego e renda a partir dos recursos da biodiversidade vai desde a exploração manejada das florestas até o desenvolvimento do turismo.

ASCOM

Jornal de Notícias (PT):Banco Mundial e FMI recomendam imposto sobre emissões de CO2

Banco Mundial e FMI recomendam imposto sobre emissões de CO2

 12h47m

foto ARQUIVO - Jornal de Notícias

foto ARQUIVO - Jornal de Notícias

O Fundo Monetário Internacional e o Banco Mundial recomendam que os países do G20 cobrem um imposto de emissões de CO2 e sobre os combustíveis do transporte marítimo e aéreo, refere um relatório a que a AFP teve acesso.

“As políticas globais de taxação da emissão de carbono, tais como uma taxa de carbono ou trocas de emissões (…) são largamente consideradas como uma possibilidade promissora”, escreveram as duas instituições no relatório.

O relatório foi solicitado pelo G20 no final de uma reunião de ministros das Finanças em Washington em Abril para arrecadar dinheiro para combater as alterações climáticas.

O FMI e o Banco Mundial sugerem um preço de 25 dólares por tonelada de CO2, taxa que poderia permitir recolher cerca de 250 mil milhões dólares (185.240 milhões de euros) em 2020, reduzindo cerca de dez por cento as emissões de carbono, face aos números actuais.

Por outro lado, recomendam também a cobrança de uma taxa idêntica por cada tonelada de CO2 emitida com combustíveis para transporte marítimo e aéreo, o que permitiria receber 40 mil milhões de dólares (29.638 milhões de euros) até 2020.

O relatório recomenda ainda o fim dos subsídios aos produtores de combustíveis fósseis, uma medida que permite uma economia de 10.000 milhões de dólares (7.410 milhões de euros) ano.

http://www.jn.pt/PaginaInicial/Economia/Interior.aspx?content_id=2016907

Mapas da área ambiental para download: World Bank eAtlas of Global Development

O Banco Mundial disponibiliza The World Bank eAtlas of Global Development, versão  on-line do Atlas de Desenvolvimento Global, que está em sua terceira edição, com mapas, gráficos e mais de 175 indicadores tematicamente organizados para mais de 200 países, permitindo que se visualize e compare informações sobre diversos temas. A maioria dos indicadores cobre várias décadas, de modo a permitir uma análise da evolução históricas dos dados paresentados.

Alguns exemplos de conteúdo e possibilidades:

  • mais de 175 indicadores do Banco Mundial em todo o mundo;
  • possibilidade de comparação e visualização de dois mapas simultaneamente;
  • criação de mapas animados para mostrar a mudança ao longo do tempo;
  • visualização de dados em tabelas e gráficos ao lado dos mapas;
  • exportação de mapas e dados para uso em apresentações;
  • Importe seus próprios dados.

Cique aqui e acesse o Atlas.

%d blogueiros gostam disto: