MMA promove capacitação sobre eficiência energética de prédios

Interessados devem se inscrever pelo e-mail eemudancadoclima@mma.gov.br. Encontros serão realizados em seis capitais.

Por: Lucas Tolentino – Editor: Marco Moreira

mmaO Ministério do Meio Ambiente (MMA), em parceria com a Escola de Administração Fazendária (Esaf), oferecerá 240 vagas para interessados na certificação de eficiência energética de edifícios. Os cursos e oficinas ocorrerão em Brasília, Belém, Belo Horizonte, Curitiba, Recife e Rio de Janeiro a partir do dia 10 de março.

As inscrições podem ser feitas pelo e-mail  eemudancadoclima@mma.gov.br com até três dias de antecedência da oficina ou do curso. Cada turma tem 30 vagas e é destinada às equipes de engenharia e manutenção de órgãos públicos de todo o país. O objetivo é sensibilizar os profissionais para a etiquetagem de eficiência energética, conforme o Programa Brasileiro de Etiquetagem (PBE), e o rebatimento desse processo nas licitações.

METODOLOGIAS

Com caráter prático e duração de quatro horas, as oficinas apresentarão metodologias de extração de dados para a etiquetagem dos sistemas com o objetivo de analisar o custo-benefício a partir de situações reais.

Já os cursos têm 16 horas de encontros presenciais e quatro horas na modalidade de educação a distância. Entre os conteúdos, estão o histórico do processo, a certificação no contexto dos pregões públicos e os cálculos de etiqueta geral.

SAIBA MAIS

A Etiqueta PBE Edifica faz parte do Programa Brasileiro de Etiquetagem (PBE) e foi desenvolvida em parceria entre o Inmetro e a Eletrobrás/PROCEL Edifica. As etiquetas podem ser obtidas para edificações comerciais, de serviços, públicas e residenciais. O selo atesta que o prédio atende aos requisitos de desempenho e, em alguns casos, de segurança estabelecidos em normas e regulamentos técnicos.

Atualmente, o PBE é composto por 38 Programas de Avaliação de Conformidade em diferentes estágios de implantação, que incluem desde a etiquetagem de eletrodomésticos como fogões e geladeiras até os automóveis e edificações. As etiquetas prestam informações sobre o desempenho e a eficiência energética dos produtos.

CRONOGRAMA

Oficinas

Belo Horizonte – 10 de março

Brasília – 10 de março

Rio de Janeiro – 16 de abril

Curitiba – 24 de maio

Cursos

Rio de Janeiro – 13 a 15 de abril

Curitiba – 21 a 23 de maio

Belém – 2 a 4 de junho

Recife – 9 a 11 de junho

Assessoria de Comunicação Social (Ascom/MMA) – Telefone: 61.2028 1227

Anúncios

MMA: Fundo Clima financia projetos nas áreas de energia e ecossistemas

fundo clima

Nota do editor: outro dia me perguntaram sobre estes editais e eu percebi que comi mosca… bom está aí a notícia para aqueles que como eu não leram sobre os novos editais do Fundo Clima

Podem participar universidades, institutos e fundações públicas, entes federados e organizações sem fins lucrativos.

DA REDAÇÃOO Ministério do Meio Ambiente (MMA), por meio do Fundo Nacional sobre Mudança do Clima (FNMC) lançou, nesta sexta-feira (14/02), dois editais de chamada pública para desenvolvimento de projetos. O prazo para envio dos projetos é de um mês – até 14 de março. Podem participar universidades, institutos e fundações públicas, entes federados (estados, Distrito Federal e municípios) e organizações sem fins lucrativos da sociedade civil brasileira. Continue lendo

Relatório da UNIDO – Eficiência energética industrial para a criação de riqueza sustentável

Remoção de barreiras para investimento em eficiência energética é imperativa, diz relatório da UNIDO

17 de janeiro de 2012 ·
Eficiência energética industrial é a chave para o desenvolvimento industrial sustentável, especialmente em países em desenvolvimento, de acordo com o relatório lançado nesta terça-feira (17/01), em Abu Dhabi (Emirados Árabes Unidos), pela Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial (UNIDO).

O documento intitulado “Eficiência energética industrial para a criação de riqueza sustentável: capturando dividendos ambientais, econômicos e sociais” salienta que a produção de energia sustentável é essencial para superar os grandes desafios que o mundo enfrenta atualmente.

“Um mundo que acaba de chegar a uma população de sete bilhões de pessoas deve levar em conta a eficiência energética industrial se quiser enfrentar desafios como crescimento verde, geração de emprego, segurança, mudança climática, produção de alimentos e redução de pobreza. A eficiência energética industrial é essencial para fortalecer economias, proteger ecossistemas e obter benefícios sociais”, avalia o Diretor-Geral da UNIDO, Kandeh K. Yumkella.

“Melhorar a eficiência energética industrial é a chave para o desenvolvimento industrial sustentável em todo o mundo, mas especialmente nos países em rápido desenvolvimento do sul. Vai ajudar a concretizar a economia global verde e indústrias verdes. Investimentos em tecnologias de eficiência energética, sistemas, processos, treinamento e aperfeiçoamento das competências devem nortear o crescimento verde de baixo carbono”, acrescenta.

O relatório afirma que o consumo de energia poderá crescer ainda mais rápido, já que países em desenvolvimento reduzem a diferença de renda e lidam com populações crescentes, exigindo mais produtos manufaturados. Isto torna imperativa a remoção de barreiras que atualmente impedem investimentos em eficiência energética.

Segundo Yumkella, o novo relatório é a principal contribuição da UNIDO para a iniciativa Energia Sustentável para Todos, lançada pelo Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon, para alcançar três metas globais interligadas até 2030: acesso universal a serviços energéticos modernos; a duplicação da eficiência energética; e a duplicação da cota de energia renovável na oferta de energia mundial.

O relatório é voltado especialmente para os países em desenvolvimento e oferece estatísticas sobre valor agregado, tendências de exportação e outros indicadores-chave. Também apresenta o Índice de Performance Industrial Competitiva da UNIDO.

Webdicas: Relatório “Eficiência dos recursos na Europa – Políticas e abordagens em 31 membros da AEA e países cooperantes”

Eficiência dos recursos na Europa – Políticas e abordagens em 31 membros da AEA e países cooperantes

EEE Relatório n º 5 / 2011

Clique na imagem para baixar o relatório

Clique na imagem para baixar o relatório

Este relatório fornece uma visão geral das políticas de eficiência dos recursos e instrumentos em 31 países membros e cooperantes da rede Agência Europeia do Ambiente (Eionet). Uma pesquisa detalhada foi realizada durante o primeiro semestre de 2011 para coletar, analisar e divulgar informações sobre experiências nacionais no desenvolvimento e implementação de políticas de eficiência de recursos, e para facilitar a partilha de experiências e boas práticas. O relatório analisa as abordagens nacionais à eficiência dos recursos e explora semelhanças e diferenças nas políticas, estratégias, indicadores e metas, drivers e configuração da política institucional e lacunas de informação. Conclui com algumas considerações do EEE para futuras políticas na eficiência de recursos que poderiam ser consideradas no desenvolvimento de políticas de recursos futuros de eficiência em nível da UE e nacional. A análise é ilustrada com exemplos curtos de iniciativas políticas nos países, descritos mais detalhadamente nos documentos país perfil disponível abaixo.

 Página completa do relatório e outras informações correlatas.

PNUMA apresenta o primeiro relatório sobre a eficiência no uso de recursos na América Latina

O PNUMA apresenta o primeiro relatório sobre a eficiência no uso de recursos na América Latina

O processo de crescimento econômico na América Latina não pode superar os limites de exploração dos recursos naturais

Brasília, 20 de setembro de 2011 – Dois relatórios regionais pioneiros, apresentados hoje pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, chegam a conclusões semelhantes por meio de diferentes abordagens. Estudos sobre a eficiência na utilização de recursos na América Latina e na Ásia-Pacífico mostram que políticas e medidas voltadas ao uso eficiente de recursos são necessárias para dar suporte ao desenvolvimento econômico sustentável a nível mundial e, em particular, nas regiões analisadas.

As análises regionais compartilham uma visão mais ampla que vai além da análise econômica convencional, dando maior atenção para o papel central desempenhado pelos recursos naturais no desenvolvimento econômico, no bem-estar da população e na integração internacional dos países em cada região. Recursos naturais são bens-públicos que oferecem bens e serviços a toda a população. Continue lendo

NYTimes.com – Alemanha vê milhares de quilômetros de novas linhas em seu caminho para a Energia Renovável

Energia eólica na Alemanha (Fonte: Exame.com)

Energia eólica na Alemanha (Fonte: Exame.com)

Matéria do NYTimes.com informa que a Alemanha, para não mais utilizar energia nuclear, teria que construir mais de 2.800 milhas de novas linhas de transmissão de alta tensão para alcançar o seu novo objetivo de dobrar sua capacidade de energia atual renováveis ​​para atingir 35 por cento até 2020.

Para ler a matéria completa clique abaixo:

Germany Sees Thousands of Miles of New Power Lines on Its Road to Renewable Energy – NYTimes.com.

DAAD: NoPa – Programa em florestas tropicais, energias renováveis e eficiência energética

Prezados, o novo programa de fomento da GIZ  (NoPa – Programa em florestas tropicais, energias renováveis e eficiência energética) fecha hoje inscrições via DAAD, mas ainda dá tempo (até dia 22/08) via CAPES. Confiram:

NoPa – Programa em florestas tropicais, energias renováveis e eficiência energética

Inscrições até 15 de agosto (DAAD) e 22 de agosto de 2011 (CAPES)

DAAD e Capes, juntamente com a nova agência alemã de cooperação técnica GIZ, estão lançando um novo programa de fomento: NoPa (Novas Parcerias – Cooperação Acadêmica e Técnica entre Brasil e Alemanha). Focado especialmente nas áreas de proteção e manejo sustentável das florestas tropicais e de energias renováveis e eficiência energética, o programa tem como objetivos implementar cooperações em pesquisa aplicada entre os dois países, orientadas pela demanda dos setores público e privado, e elaborar boas práticas a partir da nova cooperação técnica, científica e tecnológica. Informações detalhadas sobre o programa podem ser obtidas no site: www.dwih.com.br

%d blogueiros gostam disto: