ONU reabre inscrições para curso técnico gratuito em energias renováveis

Nota do editor: Assistam o video para ver a diversidade de temas abrangidos.

O curso online foi desenvolvido pelo Observatório de Energias Renováveis para a América Latina e Caribe, da Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial (ONUDI), visando a promover a formação de profissionais na área de energias sustentáveis.

A Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial (ONUDI), por meio do Observatório de Energias Renováveis para América Latina e Caribe, oferece vagas no programa de capacitação técnica sobre Energias Renováveis. O curso é aberto, online e gratuito, e fornece certificado digital para os participantes aprovados. Mais de 40.000 usuários de 133 países já participaram do curso, que está com as inscrições reabertas. Continue lendo

3a edição do relatório [R]evolução Energética mostra que o Brasil pode ter sua matriz energética majoritariamente limpa até 2050


revolução energetica

Energia limpa para revolucionar o futuro

Notícia – 27 – ago – 2013

O Brasil pode ter sua matriz energética majoritariamente limpa até 2050 – se quiser. É o que mostra a 3ª edição do relatório [R]evolução Energética, elaborado pelo Greenpeace

A participação das fontes renováveis pode ser 47% maior na matriz energética brasileira, nos próximos 40 anos, do que o projetado pela política atual do governo. Segundo o relatório [R]evolução Energética, divulgado hoje pelo Greenpeace, a matriz pode contar com 66,5% de fontes como vento, sol e biomassa para alimentar os setores elétrico, industrial e de transportes em 2050.

Ao considerar apenas a matriz elétrica, a projeção é ainda mais dramática: 92% da eletricidade que alimentará o Brasil em quatro décadas pode ser limpa. Atualmente, esse cenário e a tradição nacional de renováveis neste setor estão em risco devido a decisões equivocadas da administração federal, que tem abraçado fontes sujas, como o carvão.

 Em sua 3a edição no Brasil, o [R]evolução Energética propõe uma matriz energética limpa e sustentável com base nos recursos disponíveis e tecnologias atuais. Este cenário atende à necessidade futura de energia para o país e concilia crescimento econômico com preservação ambiental. Continue lendo

Agência Brasil: Energia gerada do lixo depende de incentivo público para se tornar competitiva

Vinícius Lisboa

Repórter da Agência Brasil

Clique na imagem para acessar a página de download do Atlas

Clique na imagem para acessar a página de download do Atlas

Rio de Janeiro – O Brasil deve aumentar a capacidade instalada de produção de energia a partir de resíduos sólidos para 282 megawatts (MW) até 2039, mas essa utilização de eletricidade depende de incentivo do governo para se tornar competitiva mesmo ante outras fontes de energia limpa, como a eólica e a solar, disse hoje (28) o diretor executivo da Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe), Carlos Silva Filho, ao apresentar o Atlas Brasileiro de Emissões de Gases do Efeito Estufa e Potencial Energético na Destinação de Resíduos Sólidos.

De acordo com a publicação, o país tem atualmente 22 projetos que preveem a geração de energia elétrica em aterros sanitários a partir de resíduos sólidos, mas apenas dois efetivamente comercializam energia, o Bandeirantes e o São João, ambos no estado de São Paulo. A capacidade instalada dos 22 projetos é 254 MW.

Para que os demais também deem início à produção, segundo Silva Filho, são necessários investimentos de US$ 5 milhões para cada 3 MW de capacidade, custo que só será atrativo a investidores com estímulos públicos. “É importante que as autoridades percebam que essa energia pode ser incorporada ao mix brasileiro. Os leilões de energia eólica vendem o megawatt-hora a R$ 250, porque o governo estipula um piso, enquanto o da energia de biomassa é vendido a R$ 120″. Continue lendo

Agência Brasil: Grupo Facilitador da Sociedade Civil na Rio+20 lança campanha Não à Economia Verde


09/05/2012 – 16h54

Alana Gandra

Repórter da Agência Brasil

Rio de Janeiro – Movimentos sociais e ambientais que integram o Grupo Facilitador da Sociedade Civil na Conferência da ONU sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20) lançaram hoje (9), no Rio de Janeiro, a campanha nacional Não à Economia Verde. Entre os motivos da campanha estão as faltas de conceito de economia verde, de posicionamento crítico ao atual modelo econômico e da análise sobre a mudança da matriz energética dos combustíveis fósseis para as energias renováveis no rascunho zero da Rio+20.

A campanha Não à Economia Verde faz parte do seminário internacional Outra Economia, Outro Desenvolvimento, Outra Cooperação: a Sociedade Civil Rumo à Rio+20/Cúpula dos Povos, que a Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais (Abong) promove até amanhã (10), na capital fluminense. A campanha foi iniciada em abril deste ano, a partir do Fórum Social Temático realizado em janeiro, em Porto Alegre (RS).

As ONGs apontam que não existe, na verdade, uma definição do conceito de economia verde no rascunho zero (draft zero) apresentado pela Organização das Nações Unidas (ONU) no final do ano passado. Esse texto ainda se acha em negociação e serve de base para o documento oficial da Rio+20, programada para junho, no Rio de Janeiro. Continue lendo

NOAA Science dá suporte ao planejamento de Nova York sobre energias renováveis no mar

Estudo fornece mapeamento e análise para o planejamento de energias renováveis e proteção do habitat marítimo

20 de março de 2012

O relatório, “A Biogeographic Assessment of Seabirds, Deep Sea Corals and Ocean Habitats of the New York Bight” está disponível on-line .

Faça o download aqui (Crédito: NOAA)

 

Um recém-lançado estudo da National Oceanic and Atmospheric Administration (NOAA) ajudará as autoridades estaduais de Nova York a fazer avanços na gestão das suas águas costeiras e orientar o desenvolvimento futuro de projetos de energia eólica offshore.

O estudo , “A Biogeographic Assessment of Seabirds, Deep Sea Corals and Ocean Habitats of the New York Bight” (Uma avaliação biogeográfica de aves marinhas, corais profundos  e Habitats Oceânicos da baía de Nova Iorque), vai ajudar o Estado a identificar locais favoráveis de desenvolvimento de energia dos ventos no Atlântico e proteger aves marinhas em situação crítica e habitats de peixes.Em última análise, as decisões de implantação serão estimulando o desenvolvimento de empregos da indústria de energia eólica na região. Continue lendo

“OECD Environmental Outlook to 2050: The Consequences of Inaction” – Agir agora ou enfrentar consequências caras no futuro

Ambiente: Agir agora ou enfrentar consequências caras no futuro, alerta OCDE

15/03/2012 – Apesar dos desafios imediatos enfrentados pelos países no contexto de restrição das finanças públicas e desemprego elevado, não deve deixar de enfrentar os desafios de longo prazo. Devemos agir agora para evitar danos irreversíveis ao meio ambiente.

“Precisamos de novas fontes de crescimento. O crescimento verde pode ajudar os governos a enfrentar os desafios e pressões que eles enfrentam hoje. Agricultura Verde, a oferta sustentável de água e energia e da indústria será fundamental para atender as necessidades de 9 bilhões de pessoas até 2050”, disse o secretário-geral da OCDE, Angel Gurría.

A OECD Perspectiva Ambiental para 2050: As consequências da inação (OECD Environmental Outlook to 2050: The Consequences of Inaction) apresenta as últimas projeções de tendências socioeconômicas para as próximas quatro décadas, e suas implicações em cada uma das quatro áreas de preocupação: as mudanças climáticas , biodiversidade , água e impactos na saúde da poluição ambiental. Apesar da recente recessão, estima-se que a economia mundial irá quadruplicar até 2050. Padrões de vida irão ser acompanhados por um aumento da demanda por alimentos, energia e recursos naturais e aumento da poluição. Os custos da inação podem ser exorbitantes, tanto em termos econômicos e humanos. Sem uma mudança nas políticas atuais: Continue lendo

Curso Internacional de verão – “On the cutting Edge of Sustainable Energy Supply”

Curso Internacional de Verão “On The Cutting Edge de Fornecimento de Energia Sustentável”

Pela nona vez Universidade Técnica de Freiberg, em cooperação com a “Verein Freunde und Förderer der TU Bergakademie Freiberg e.V.”  oferece um curso de verão interdisciplinar em tecnologia de energia sustentável com duração de cinco semanas, que ocorrerá de 29 de maio até 29 de junho de 2012.

Os alunos devem estar familiarizados com os mais recentes desenvolvimentos tecnológicos relacionados com o uso de energias sustentáveis, bem como soluções tecnológicas atuais amplamente utilizadas. Serão realizadas excursões em empresas relevantes e instituições de pesquisa importantes como parte do curso.

O curso será ministrado em Inglês e participantes que desejarem adquirir conhecimentos básicos de comunicação em alemão ou quiserem para melhorar os seus conhecimentos linguísticos podem assistir curso de língua alemã opcional, além de palestras sobre história e cultura germânica.

O curso acadêmico será acompanhado por um extenso programa cultural, que inclui viagens de fim de semana para Berlim e Praga, passeios de um dia para Dresden, Freiberg e região serrana, bem como concertos, eventos desportivos e um dia com uma família alemã.

Para maiores infromações acesse: http://tu-freiberg.de/iuz/index_1.html?id=191

%d blogueiros gostam disto: